Cleyson Dellcorso

Gerente e Equipe unidos – 5 dicas

Na primeira aula no MBA em Gestão de Pessoas costumo desafiar a turma com uma afirmação impactante:

Todo gerente tem a equipe que merece!  Você concorda?

Muitos concordam, outros discordam, mas a verdade é que muitos gerentes chegaram àquela posição sem estarem capacitados para ela, uns foram pinçados do cargo de melhor vendedor para o de gerente de vendas, outros de uma posição de um excelente profissional técnico para gerente técnico e assim acontece em vários setores, mas quase sempre sem que a empresa providencie o devido preparo do gestor.

Se antes o profissional trabalhava com produtos agora passa a trabalhar através das pessoas, passa a cuidar de gente, o que não é nada fácil.

Além de cuidar de pessoas, normalmente sem estar preparado, quase sempre passa a ter um comportamento semelhante aos que conviveu em sua vida profissional – um modelo geralmente ultrapassado e agora colocado em prática com uma equipe de cultura e comportamento mais atual.

Todos os gerentes que queiram estar mais próximos de suas equipes, realizar uma gestão melhor, com maior produtividade e em um clima organizacional excelente, devem, entre outras, se preparar nas seguintes áreas:

1 – Desenvolver a Liderança

O desenvolvimento de uma empresa é diretamente proporcional ao número de líderes que possui.

Atualmente, um gestor terá muita dificuldade em exercer a sua atividade se não tiver as competências e habilidades da liderança.

Não podemos nos esquecer que liderança, de um modo geral, é influenciar para atingir objetivos. Bastante distante dos “comandos” e “controles”, utilizados até há pouco

Existem diversos modelos de liderança e o gestor atual deverá necessariamente conhecer suficientemente a sua equipe para identificar qual dos modelos é apropriado para ela.

O próprio gestor deverá exercer um esforço consciente para o seu próprio desenvolvimento de líder.

A boa notícia é que liderança pode ser desenvolvida em qualquer idade e a qualquer tempo.

2 – Desenvolver uma comunicação eficiente

Como já disse – na arte de liderar, saber influenciar é a base do processo e, para isso, é necessário que a nossa mensagem chegue de forma clara e completa aos membros da equipe.

A comunicação vem se tornando uma das habilidades fundamentais aos profissionais deste século.

É preciso saber expressar ideias, tirar dúvidas, apresentar soluções para fatos que ocorrem todos os dias. Se a pessoa não consegue vencer a barreira do “silêncio”, agregará pouco ou nenhum valor à empresa ou à sua própria vida.

3– Desenvolver as soft skills essenciais para uma gestão moderna

Apesar de que a Liderança e a comunicação sejam soft skills essenciais, resolvi abordá-las separadamente pela importância que têm no desempenho profissional do gestor.

Soft skills são competências comportamentais, ou seja, atributos pessoais que você precisa ter para ser bem-sucedido, não só profissionalmente, mas também em diversos aspectos da vida pessoal. Normalmente, as soft skills estão relacionadas à capacidade de interagir com outras pessoas, mas em sua essência são aspectos comportamentais que fazem a diferença entre o excelente profissional de um mediano.

Existe uma série de soft skills essenciais, mas também existem outras que são fundamentais para o cargo e o tipo de trabalho realizado. Procure identificá-las e desenvolvê-las, tarefa que não é difícil, mas exige comprometimento e dedicação.

4 – Pensamento estratégico e visão sistêmica

Se por um lado o gestor tem um grupo de pessoas sob sua responsabilidade, por outro, tem que influenciar todo o grupo para que caminhe em sintonia com o resto da organização.

No primeiro caso, necessariamente deverá ter um pensamento estratégico, isto é, tomar decisões com o grupo que agreguem valor e tragam resultados, baseados nos diversos cenários que são apresentados no dia a dia.

No segundo caso, deverá olhar para a organização e suas responsabilidades através de um contexto amplo, principalmente percebendo o quanto suas decisões e as entregas de seu grupo impactarão a empresa como um todo.

5 – Empatia e Compaixão

Um comportamento empático e compassivo era até há pouco improvável de ser requisito essencial dos gestores.

Atualmente, a empatia e seu fruto – a compaixão, são comportamentos que agregam valor à função do gestor, pois por trabalhar com pessoas e influenciar indivíduos, é responsabilidade do gestor conhecer e agir no campo das emoções de cada colaborador.

O comportamento pessoal e seu autoconhecimento são fatores básicos para que o gestor tenha o equilíbrio necessário para função e, neste quesito, os filósofos antigos têm muito que nos ensinar nos dias de hoje.

O que os filósofos antigos têm ainda a nos ensinar

Estes 5 itens aqui abordados, aproximam o gestor de seus colaboradores e dão condições a ele para transformar a sua EQUIPE em um TIME.

Não é uma tarefa fácil, mas que traz resultados ao gerente, aos colaboradores e à empresa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.